O Nosso Direito

Saber sobre: Herança Entre Cônjuges e Companheiros: Direitos e Diferenças

O que é Herança Entre Cônjuges e Companheiros?

A herança entre cônjuges e companheiros é um tema de extrema importância no direito sucessório brasileiro. Trata-se do conjunto de direitos e diferenças que envolvem a partilha dos bens de uma pessoa falecida entre seu cônjuge e seu companheiro. É fundamental compreender as nuances e peculiaridades desse assunto para garantir que os direitos sejam respeitados e que a divisão dos bens seja feita de forma justa e legal.

Os direitos do cônjuge na herança

No Brasil, o cônjuge é considerado herdeiro necessário, ou seja, ele tem direito a uma parte da herança, independentemente do que estiver disposto no testamento do falecido. Essa parte é chamada de legítima e corresponde a uma quota-parte dos bens deixados pelo falecido. A legítima do cônjuge varia de acordo com o regime de bens adotado pelo casal e a existência de descendentes ou ascendentes.

Os direitos do companheiro na herança

Em relação ao companheiro, a legislação brasileira reconhece o direito à herança desde que seja comprovada a união estável. A união estável é caracterizada pela convivência pública, contínua e duradoura, com o objetivo de constituir família. Para que o companheiro tenha direito à herança, é necessário que a união estável tenha sido registrada em cartório ou que seja comprovada por outros meios admitidos em lei.

As diferenças entre herança entre cônjuges e companheiros

Apesar de ambos terem direito à herança, existem diferenças importantes entre a herança entre cônjuges e companheiros. Uma das principais diferenças diz respeito à ordem de vocação hereditária. No caso dos cônjuges, eles são chamados a herdar antes dos companheiros, ou seja, têm preferência na sucessão. Além disso, a quota-parte do cônjuge é maior do que a do companheiro, especialmente quando há filhos em comum.

A importância do regime de bens

O regime de bens adotado pelo casal também influencia na herança entre cônjuges. Existem diferentes regimes de bens previstos em lei, como a comunhão parcial de bens, a comunhão universal de bens, a separação de bens e a participação final nos aquestos. Cada regime possui regras específicas sobre a partilha dos bens em caso de falecimento de um dos cônjuges.

A sucessão do companheiro sem união estável registrada

No caso do companheiro que não possui união estável registrada, a sucessão dos bens é mais complexa. Nesse caso, é necessário comprovar a existência da união estável por outros meios admitidos em lei, como testemunhas, documentos, fotos, entre outros. Além disso, a divisão dos bens pode ser objeto de disputas judiciais, o que torna o processo mais demorado e oneroso.

A importância do testamento

Independentemente do estado civil ou da existência de união estável, é sempre recomendável fazer um testamento para garantir a vontade do falecido em relação à partilha dos bens. O testamento é um documento legal que permite ao indivíduo determinar como seus bens serão divididos após sua morte. Dessa forma, é possível evitar conflitos familiares e assegurar que os desejos do falecido sejam respeitados.

A necessidade de um advogado especializado

Devido à complexidade do tema, é fundamental contar com a orientação de um advogado especializado em direito sucessório. Esse profissional possui conhecimento técnico e experiência para auxiliar na elaboração de testamentos, na comprovação da união estável e na defesa dos direitos do cônjuge ou companheiro na herança. Além disso, o advogado pode orientar sobre os melhores caminhos a serem seguidos para evitar conflitos e garantir uma partilha justa dos bens.

A importância da atualização dos documentos

Para evitar problemas na sucessão dos bens, é essencial manter os documentos atualizados. Isso inclui a atualização do estado civil, a realização do registro da união estável em cartório e a elaboração de um testamento. Além disso, é importante manter os documentos que comprovam a união estável em local seguro e de fácil acesso, para facilitar a comprovação em caso de necessidade.

Conclusão

Em suma, a herança entre cônjuges e companheiros é um assunto complexo e que exige conhecimento técnico para garantir a correta divisão dos bens. É fundamental compreender as diferenças entre cônjuges e companheiros, a importância do regime de bens, a necessidade de comprovação da união estável e a importância do testamento. Contar com a orientação de um advogado especializado é essencial para garantir que os direitos sejam respeitados e que a partilha seja feita de forma justa e legal.

Compartilhar com:

Últimos artigos

Envie-nos uma mensagem

× Como posso te ajudar? Available on SundayMondayTuesdayWednesdayThursdayFridaySaturday